Prestação de contas do presidente do PT de Joinville, Adilson Mariano

sábado, 17 de maio de 2014

On 09:42 by Adilson Mariano
Chegando aos seis meses na presidência do PT escrevo este texto para prestar contas à base do partido. A partir de agora, pretendo sempre divulgar meu ponto de vista. Convido você a nos acompanhar e entrar em contato para nos ajudar nesta batalha. 

É preciso relembrar...

Ganhamos a presidência em aberta oposição à política do grupo que provocou um desastre eleitoral do PT por ter se aliado com a direita e, na Prefeitura, ter dado às costas ao povo.  Isso frustrou o sentimento de mudança de nossa militância, de nossa base operária e da juventude.  Muitos desanimaram, afastaram-se das lutas e do partido.

Combatemos permanentemente em defesa da independência de classe, contra a coalizão com os partidos da burguesia e pelo apoio incondicional aos interesses gerais da classe trabalhadora e da juventude, continuando a luta pelo socialismo. Sempre dissemos que a política que vinha sendo aplicada desmoralizava e desanimava a militância, destruindo o PT. 

Foi por isso que ganhamos a presidência, para ajudar o PT a voltar a ser o que era na luta pelo socialismo.

Recebemos um PT endividado e sem condições de pagar suas despesas

Os filiados precisam saber que recebemos um partido quebrado financeiramente.

Quando tomei posse como presidente do PT de Joinville, a antiga direção afirmou que estava tudo tranquilo financeiramente, que não havia dívidas e teria, inclusive, recursos em caixa.

No entanto, a cada reunião da nova direção, enquanto ainda assumíamos o controle financeiro, surgiam novas informações. Qual é a situação real: dos recursos em caixa, que inicialmente nos disseram ser de R$ 39 mil, só apareceram R$ 19 mil. As dívidas, que diziam não existir, começaram a aparecer com um débito de cerca de R$ 22 mil.

Fizemos o levantamento das despesas fixas do PT e o desastre continua: o custo de manutenção do partido era de R$ 6,4 mil por mês! No entanto, a arrecadação não passava de R$ 3,1 mil. Ou seja, tínhamos um déficit mensal de R$ 3,3 mil.

Diante dessa situação informamos o diretório, que deliberou por uma Auditoria Financeira sobre a gestão anterior.  No entanto, sob a responsabilidade do Conselho Fiscal, meses depois esse processo ainda não foi concluído. Para receber a documentação do contador do PT, eu e o tesoureiro tivemos que ir diversas vezes ao seu escritório. O resultado era sempre pura enrolação. Por quê?!

Para impedir um desastre, decidimos a mudança da sede para um local mais barato e central. Tomamos medidas e reduzimos o custo mensal de R$ 6,4 mil para cerca de R$ 4 mil. Mas, ainda assim continuamos com um déficit de cerca de R$ 1 mil mensal, que vai estourar a partir de junho.

Recentemente, fomos surpreendidos novamente. Uma loja de equipamentos de som protestou o partido em cartório, por uma compra realizada em 2012, onde foi paga uma parcela, mas a direção anterior não pagou a segunda parcela no valor de R$ 1,5 mil. Estamos vendo os meios para resolver a situação.

É preciso refletir como chegamos nesta situação. Há anos nosso partido abandonou a antiga forma de financiamento, baseada na contribuição dos filiados e venda militante de materiais.  Acompanhando o que aconteceu nacionalmente, o PT de Joinville passou a depender cada vez mais das contribuições dos parlamentares (municipais, estaduais e federais) e, mais tarde, dos filiados em cargos comissionados do governo.

Não dependendo mais do esforço da base, foi mais fácil virar às costas a ela, dando um giro à direita e apoiando medidas inconcebíveis do governo de coalizão do PT na cidade e no governo federal.
Além disso, diversos cargos comissionados petistas, e até um vereador, terminaram o ano de 2013 em débito com o PT.

Isso não pode continuar. É um escândalo.

Convocamos todos os filiados e se reunir, participar das plenárias regionais que estamos convocando para conhecer em detalhes a situação desastrosa em que nos entregaram o partido. Estamos entrando em contato com militantes em diversos bairros e nos próximos dias divulgaremos a data e local de cada atividade. Também faremos um risoto – uma ação entre amigos do PT – no dia 5 de julho, ao custo de R$ 10, para arrecadar recursos.

Vamos discutir como tirar o partido dessa situação.  Só com o apoio da base podemos mudar isso. Dinheiro de empresário no PT de Joinville não vai entrar e temos que manter a sede, a secretaria, o telefone etc. Só assim poderemos fazer uma verdadeira política independente, socialista, de luta ao lado dos trabalhadores e da juventude. Venha discutir a situação. Participe das atividades convocadas.

Saudações petistas e socialistas!

Adilson Mariano
Reações: